• Tatiana Carvalho

Investimento verde: greentech abre sexta rodada de títulos e incentiva economia circular da madeira

A Radix, empresa especializada no plantio de florestas comerciais, faz parceria para premiar investidores com voucher em loja de móveis; título florestal promete unir ganho financeiro e preservação da natureza


Criadores da Radix, Gilberto Derze e Thiago Campos. Crédito de Imagem: Divulgação

A Radix Investimentos Florestais abre a sexta rodada de crowdfunding de títulos florestais com a campanha Eco$, para incentivar a economia circular da madeira. Ao comprar um ativo, o investidor ganha um voucher de R$ 500 para a compra de móveis com o selo verde da Fubbá Objetos Inteligentes, marketplace que preza por peças de madeira de reflorestamento ou de reuso. A proposta é criar um sistema virtuoso, que une retorno financeiro à contribuição ao meio ambiente.


"Nossa missão é democratizar o investimento florestal, facilitar o acesso de todas as camadas da população e para que possam contribuir com o cultivo de árvores e preservação da biodiversidade e ainda ter lucro", diz Thiago Campos, sócio da Radix.

A empresa é especializada no plantio comercial de Mogno Africano, conhecido como novo ouro verde. Cada cota, de R$ 550, equivale a uma fração do módulo florestal e tem expectativa de valorização de 12% ao ano, o que resulta na multiplicação do investimento de seis a oito vezes - a espécime atinge o ponto de comercialização entre 15 e 20 anos.


A Radix já captou mais de R$ 2 milhões desde 2015, quando foi criada, e conta hoje com 110 hectares de Mogno Africano cultivados em áreas degradadas de Roraima e de Minas Gerais. De acordo com eles, a cada oferta pública, uma parte dos recursos arrecadados é aplicada no manejo das florestas e outra é reinvestida na ampliação da atividade. Ainda segundo a empresa, a meta da próxima rodada é captar R$ 900 mil e plantar mais 60 hectares em 2021.


"A gratificação é ecológica e monetária. Já são mais de 600 pessoas que investem verde com a Radix, que lucram contribuindo com o meio ambiente", diz Campos. A oferta de crowdfunding abriu em 30 de setembro e é operada pela plataforma Basement, que possui registro na CVM.


Fonte: Assessoria

Receba nossas atualizações

  • Branca Ícone Instagram
  • Ícone do Facebook Branco