• redacaotrendtimes

Grandes empresas do Brasil optam por adotar energia solar


Tracker STI-H250 da STI Norland | Crédito: Divulgação

No ápice da demanda no Brasil, a energia solar ganhou ainda mais relevância nos últimos 2 anos. Grandes nomes do mercado brasileiro, como: Magazine Luiza, Claro, Rede Via Varejo e Oi resolveram adotar a energia solar fotovoltaica como grande parte de sua geração de energia. O movimento tem ganhado muitos adeptos, pois essa fonte de energia renovável tem se mostrado vantajosa no custo-benefício. A STI Norland Brasil, líder no país em fabricação de rastreadores solares de eixo único e estruturas fixas, está presente com seus produtos em 17 usinas solares da GreenYellow, que são utilizadas por essas varejistas para captação e geração da energia.


"Estamos muito satisfeitos em fazermos parte deste grande movimento do mercado, que é o investimento em energia limpa. Não somente por causa da importância dos negócios sustentáveis, mas porque estamos conseguindo colocar em prática a missão da STI Norland no Brasil, que é levar soluções de energia solar fotovoltaica para as principais organizações do País", afirma Javier Reclusa, CEO da STI Norland Brasil.

Com alguns modelos de trackers, o carro chefe da STI Norland é o tracker STI-H250, dual-row na configuração 1V, que usa tecnologia de ponta da empresa para acompanhar o movimento do sol e absorver a maior quantidade de luz solar possível por dia. O equipamento é o primeiro deste tipo do mercado brasileiro, trazido pela STI Norland, a pioneira no desenvolvimento dessa tecnologia no mundo.


Assim como as empresas citadas, outros importantes players do mercado nacional, de vários segmentos, estão cada vez mais procurando implantar medidas de sustentabilidade em seus negócios e se interessando mais pelos benefícios da energia solar. Dados da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica) revelam que 39,5% da energia solar consumida no País já fica com o setor de comércio e serviços.


As usinas solares fotovoltaicas são da GreenYellow, que fazem acordos de aluguel de parte dos espaços das usinas para cada empresa. O tamanho dessas usinas pode variar e o limite máximo de capacidade é de 5 MWp. As localizações dessas usinas também variam, pois estão espalhadas por todo o Brasil. Atualmente, a maioria das usinas da GreenYellow com equipamentos da STI Norland está localizada em São Paulo, mas também há nos estados de Paraná, Rio de Janeiro, Goiás, Ceará, Mato Grosso e Distrito Federal.


"Um dos diferenciais da GreenYellow no mercado brasileiro de Geração Distribuída é o fato de utilizarmos tecnologia de ponta nos projetos, aproveitando ao máximo os recursos solares locais. A qualidade das soluções da STI Norland representa um fator importante dentro dos sistemas que oferecemos", ressalta Pierre-Yves Mourgue, CEO da GreenYellow.


Com equipe qualificada e equipamento próprio, a STI Norland é a maior fornecedora de trackers solares do hemisfério sul e vem ampliando sua gama de serviços para oferecer uma maior estrutura em seus projetos de usinas solares fotovoltaicas.


"Trouxemos para o mercado mundial essa tecnologia, que ainda era desconhecida, e se mostrou altamente eficaz em sua performance. Sem cabos e com uma bateria otimizada, que consegue movimentar até 120 módulos por meio de um único motor, conseguimos chegar num ótimo rendimento dos trackers, o que gera mais economia para os clientes", comenta Javier Reclusa, CEO da STI Norland no Brasil.


Com apenas cinco anos em operação no Brasil, a STI Norland já soma mais de 100 projetos no país e, atualmente, a maior parte deles está concentrada em Minas Gerais. Além disso, é responsável por cerca de 90% da participação de mercado na geração de energia distribuída, conhecida como GD, no Brasil. Já em projetos de energia centralizada, GC, a empresa detém 39% do mercado e com a junção das vendas de GD e GC, geração centralizada, alcançou a marca de 2GWp de energia vendida, em março de 2020.

Receba nossas atualizações

  • Branca Ícone Instagram
  • Ícone do Facebook Branco